Departamento de Educação

 

Departamento de Educação

Licenciaturas em Ensino

 

Licenciaturas em Ensino

Psicologia da Educação

 

1.     Fundamentação/Objectivos da disciplina

 A Psicologia da Educação pretende contribuir para a formação dos professores, pondo-os em contacto com as grandes teorizações sobre: (a) o desenvolvimento dos alunos, (b) os processos de ensino-aprendizagem, (c) e ainda a situação de sala de aulas. Esta disciplina visa não só preparar os estudantes para a compreensão dos trabalhos de investigação que vão sendo publicados nos domínios referidos, como também facilitar a aquisição dos quadros teóricos e das competências básicas que permitam tomar decisões ajustadas no exercício da profissão de professor.

2. Sinopse do Programa (Componente teórico Prática)

 I. Introdução à Psicologia da Educação

1.1. Aparecimento como ciência

1.2. Breves elementos de Investigação

II. Processos de aprendizagem e ensino

2.1. Teorias do condicionamento

2.2. Teorias mais recentes: a Psicologia Cognitiva

2.3. Teorias da motivação escolar

2.4. Factores da aprendizagem

III. Desenvolvimento: 0 aluno

3.1. Desenvolvimento cognitivo

3.2. Desenvolvimento afectivo e social

3.3. Desenvolvimento moral

3.4. Problemas no desenvolvimento

IV. A situação escolar

4.1. Interacções nas aulas e relação professor-aluno

4.2. Gestão da aula, indisciplina e violência na escola

4.3. Alunos com NEE, escola inclusiva e comunidade envolvente

 

3. resultados expectáveis de aprendizagem/ Competências a desenvolver

   

1.    Observação e interpretação, baseada nos conhecimentos apropriados na disciplina de Psicologia da Educação, dos comportamentos dos alunos e das situações educativas;

2.    Desenvolvimento da capacidade de intervenção em situação de sala de aula e em contexto escolar alargado aplicando os conhecimentos apropriados na disciplina de Psicologia da Educação;

3.    Reflexão sustentada e crítica sobre as práticas pedagógicas, baseadas nos conhecimentos da Psicologia da Educação;

4.    Contribuição para o desenvolvimento de uma consciência epistemológica dos professores enquadrada pelos conhecimentos discutidos na disciplina de Psicologia da Educação;

5.    Desenvolvimento da capacidade de intervenção enquanto cidadão crítico e participativo, nomeadamente a nível profissional.

  

4. BibLiografia

 Geral

Ausubel, D., Novak, J. & Hassen, R. (1980). Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Inter-americana.

Fraisse, P. & Piaget, J. (1969). Tratado de psicologia experimental. Rio de Janeiro: Ed. Farense

Sprinthall, N. & Sprinthall, R. (1993). Psicologia Educacional. Lisboa: McGraw-Hill

Tavares, J. & Alarcão, I. (1985). Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem. Coimbra: Livraria Almedina

Woolfolk, A. & McCune, L. (1986). Psicologia de la education para professores. Madrid: Narcea.

Woofolk, A. (1996). Psicología educativa. México: Prentice-Hall.

 

Tema: Metodologia da Investigação

Bogdan, R. C. & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Cohen, L. & Manion, L. (1994). Research methods in education. London: Routledge.

Merriam, S. B. (1988). Case study research in education - a qualitative approach. San Francisco: Jossey-Bass Inc., Publishers.

Patton,  M. Q. (1990). Qualitative evaluation and research methods. Newbury Park, CA: Sage Publications.

Pinto, A. (1990). Metodologia da investigação psicológica. Porto: Jornal de Psicologia.

Stake, R. E. (1995). The art of case study research. Thousand Oaks: Sage Publications.

Yin, R. K. (1989). Case study research: design and methods. Newbury Park, CA: Sage Publications.

Tema: Adolescência

Ausubel, D. (1954). Theory and problems of adolescent development. New York: Green and Stratton

Claes, M. (1985). Os problemas da adolescência. Lisboa: Verbo

Cloutier, R. (1982). Psychologie de l’adolescence. Québec: Gaetan Morin

Coleman, J. (1980). The nature of adolescence. London: Methuen

Erikson, E. (1976). Identidade, juventude e crise. S. Paulo: Harper and Row do Brasil

Gallatin, J. (1987). Adolescência e individualidade. S. Paulo: Harper and Row

Galimard, P. (s/ data). A criança dos 6 aos 15 anos. Lisboa: Moraes ed.

Hurlock, E. (1979). Desenvolvimento do adolescente. S. Paulo: McGraw-Hill

Lerner, R. & Spencer, G. (1982). Adolescent development. A different perspective. New York; McGrawHill

Sampaio, D. (1993). Vozes e Ruídos: Diálogos com adolescentes. Lisboa: Editorial Caminho.

Sampaio, D. (1994). Voltei à escola. Lisboa: Editorial Caminho.

Sampaio, D. (1996). Inventem-se novos pais. Lisboa: Editorial Caminho.

Sampaio, D. (2000). Tudo o que temos cá dentro. Lisboa: Editorial Caminho.

Sampaio, D. (2002). Lições do abismo. Lisboa: Editorial Caminho.

Wall, W. (1975). A adolescência. Lisboa: Livros Horizonte.

Tema: Psicologia do Desenvolvimento

Barrelet, J.-M. & Perret-Clermont, A.-N. (1996). Jean Piaget: Aprendiz e Mestre. Lisboa: Instituto Piaget.

Borges, M. I. (1987). Introdução à Psicologia do desenvolvimento. Porto: Jornal de Psicologia

Carretero, M., Palacios, J. & Marchesi, A. (1985). Psicologia evolutiva. Madrid: Alianza Psicologia

David, M. (1981). A criança dos 0 aos 6 anos. Lisboa: Moraes ed.

Droz, R. & Rahmy, M. (1977). Ler Piaget. Lisboa: Universidade Aberta

Elkind, D. (1978). Crianças e adolescente- ensaios interpretativos sobre Jean Piaget. Rio de Janeiro: Zahar Editores

Erikson, E. (1976). Identidade, juventude e crise. S. Paulo: Harper and Row do Brasil

Erikson, E. (1976). Infância e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar Editores

Freud, S. (s/ data). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Lisboa: Ed. Livros Brasil

Freud, S. (1988). A interpretação dos sonhos. Lisboa: Pensamento- Editores Livreiros

Inhelder, B., Garcia, R. & Vonéche, J. (1978). Epistemologia genética e equilibração. Lisboa: Livros Horizonte

Inhelder, B., & Piaget, J. (1955). De la logique de l’enfant à la logique de l’adolescent. Essai sur la construction des structures opératoires formelles. Paris: PUF (Trad. Da lógica da criança à lógica do adolescente- ensaio sobre a construção das estruturas formais. S. Paulo: Livraria Pioneira ed.)

Joyce-Moniz, L., Gouveia Pereira, O.; Correia Jesuíno, J.; (1976). O desenvolvimento psicológico da criança. Lisboa: Moraes ed.

Kohlberg, L. (1969). Moral education in the schools: a developmental view. In R. Grinder (ed.). Studies in adolescence: a book of readings in adolescence development. New York: Mac Millan

Kohlberg, L. (1976). Moral reasoning and moralization: the cognitive development approach. In T. Lickona (ed.). Moral development and behaviour. New York: Holt, Riverhart and Wilson

Lipsitt, L. (1980). Psicologia do desenvolvimento da criança. Rio de Janeiro: Lyli E. Bourne

Lourenço, O. (1994). Além de Piaget? Sim, mas devagar!... Coimbra: Livraria Almedina

Mussen, P., Conger, J. & Kagan, J. (1977). O desenvolvimento da personalidade da criança. Rio de Janeiro: Harba

Oliveira, J. (1991). Freud & Piaget- afectividade e inteligência. Porto: Jornal de Psicologia.

Papalia, D., & Olds, S. (2000). Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed Editora  (7ª edição)

Piaget, J. (1932). Le jugement moral chez l’enfant. Paris: PUF

Piaget, J. (1982). O nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: Zahar ed.

Piaget, J. & Inhelder, B. (s/ data). A psicologia da criança. Lisboa: Difusão Europeia do livro

Santos, J. dos (1988). Se não sabe porque é que pergunta?- conversas com João Sousa Monteiro. Lisboa: Assírio & Alvim

Santos, J. dos (1990).Eu agora quero ir-me embora - conversas com João Sousa Monteiro. Lisboa: Assírio & Alvim

Tran-Thong (1981). Estádios e conceito de estádio de desenvolvimento da criança na psicologia moderna. Porto: ed. Afrontamento

Turner, J. (1976). Desenvolvimento cognitivo. Rio de Janeiro: Zahar ed.

Zazzo, R. (1981). A evolução da criança e do adolescente. Factores e dinâmica da evolução. In M. Debesse & G. Mialaret (Eds.) Tratado de Ciências Pedagógicas. Psicologia da Educação. S. Paulo: Ed. Nacional

Tema: Psicologia da Aprendizagem

Almeida, L. (1988). Teorias de inteligência. Porto: Jornal de Psicologia

Arends, R. I. (1995). Aprender a ensinar. Lisboa: McGraw-Hill.

Bandura, A. (1975). A modificação do comportamento. Rio de Janeiro: Inter-americana

Bandura, A. (1977). Learning theory. New Tork: Prentice-Hal

Bandura, A. & Walters, R. (1963). Social learning and personality development. New York: Holt, Reinhart & Winston

Benavente, A. et al. (1987). Do outro lado da escola. Lisboa: Edições Rolim.

Bigge, M. L. (1977). Teorias de aprendizagem para professores. S. Paulo: EDUBruner, J. (1963). The process of education. New York: Vintage Books.

Bruner, J. (1978). Towards a theory of instruction. Cambridge: Mass Harvard University Press

Galloway, C. (1976). Psicologia da aprendizagem e do ensino. S. Paulo: Cultrix

Gagné, D. E. et al. (1993). Cognitive psychology of school learning. London: Harper Collins.

Lindgren, H. (1977). Psicologia na sala de aula. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos ed. S.A.

Mednick, S. (1964). Aprendizagem. Rio de Janeiro: Zahar ed.

Santos, J. (1988). A casa da praia: O psicanalista na escola. Lisboa: Livros Horizonte.

Santos, J. (1991a). Ensaios sobre Educação I - A Criança quem é?. Lisboa: Livros Horizonte.

Santos, J. (1991b). Ensaios sobre Educação II - O falar das letras. Lisboa: Livros Horizonte.

Schenk, D. (1991). Learning theories: An educational perspective. New York: Macmillan

Skinner, B. (1968). The behaviour of organisms. New York: Appleton

Skinner, B. (1974/1985). Sobre o behaviourismo. S. Paulo: Cultrix

Tema: Necessidades Educativas Especiais

Ainscow, M. (1997). Educação para Todos: torná-la uma realidade. In Caminhos para as escolas inclusivas (pp. 11-31). Lisboa. Instituto de Inovação Educacional.

Almeida, L. S. & Oliveira, E. P. (2000). Os professores na identificação dos alunos sobredotados. In L. S. Almeida, E. P. Oliveira & A. S. Melo (Eds.), Alunos sobredotado: contributos para a sua identificação e apoio (pp. 43-53). Braga: ANEIS.

Amaral, M. A., Coutinho, A. & Delgado-Martins, M. R. (1994). Para uma Gramática da Língua Gestual Portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho.

Azevedo, J. (1994). Avenidas de liberdade: reflexões sobre política educativa. Porto: Asa.

Bénard da Costa, A. M. (1995). 20 anos de Educação Especial. Educação, 10, 5-8.

Bénard da Costa, A. M. (1996). A escola inclusiva: do conceito à prática. Inovação, 9(1-2), 151-163.

Benavente, A., et al. (1993). Mudar a escola mudar as práticas: um estudo de caso em educação ambiental. Lisboa: Escolar Editoral.

Benavente, A., et al. (1994). Estratégias de igualdade real. In Ministério da Educação (Eds.). Educação para todos: ponte para um outro futuro (pp. 45-55). Lisboa: Ministério da Educação.

Bender, M. (1982). Teaching the moderately and severe handicapped. Baltimore:

Clark, C.; Dyson, A.; Millward, A. J. & Skidmore, D. (1997). New directions in Special Needs – innovations in mainstream schools. London: Cassel.

Correia, L. M. (1999). Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Porto: Porto Editora.

Dolle, J. M. & Bellano, D. (1993). As crianças que não aprendem. Lisboa: Instituto PiagetFernandes, D. (1997). A avaliação na Escola Básica Obrigatória. In P. Orey da Cunha. Educação em debate( p. 275-294). Lisboa: Universidade Católica editora.

Fonseca, A. et al. (1995). A relação entre comportamentos anti-sociais e problemas de hiperactividade no ensino básico: dados dum estudo empírico. Revista Portuguesa de Pedagogia, XXIX(3), 107-117.

Forlin, C., Douglas, G. & Hattie, J. (1996). Inclusive practices: how accepting are teachers? International Journal of Disability, Development and Education, 43(2), 119-133.

Freeman, J. (2000). Crianças sobredotadas: Um panorama internacional. Sobredotação, 1(1-2), 75-82.

Gaspar, T. & Pereira, F. (1997). Educação Especial: a esperança sempre adiada. In Orey da Cunha (Ed.). Educação em debate (pp. 295-326). Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

Gearheart, B. (1980). The handicapped student in the regular classroom. St. Louis:

Gearheart, B. (1981). Learning disabilities educational strategies. St. Louis:

Guenther, Z. C. (2000). Educando bem dotados: algumas ideias básicas. In L. S. Almeida, E. P. Oliveira & A. S. Melo (Eds.), Alunos sobredotado: contributos para a sua identificação e apoio (pp. 11-18). Braga: ANEIS.

Kamens, M. W., Loprete, S. J. & Slostad, F. A. (2000). Classroom teachers’ perceptions about inclusion and preservice teacher education. Teaching Education, 11(2), 147-158.

Karagiannis, A., Stainback, W. & Stainback, S. (1999). Fundamentos do ensino inclusivo. In S. Sainback & W. Stainback (Eds.). Inclusão – um guia para educadores (pp. 21-34). Porto Alegre: Artes Médicas Editora.

Kugelmasss, J. W. (2001). Collaboration and compromise in creating and sustaining an inclusive school.  International Journal of Inclusive education, 5(1), 47-65.

Lacerda, C. B. F. (2000). O interprete de língua de sinais no contexto de uma sala de aula de alunos ouvintes: problematizando a questão. In C. B. F. Lacerda & M. C. R. Góes (Eds.), Surdez - processos educativos e subjectividade (pp. 51-84). S. Paulo: Editora Lovisa Lda.

Melro, J. (1999). Escola inclusiva: uma análise reflexiva feita em torno de um projecto de inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino regular. Lisboa: Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. [Projecto de investigação, documento policopiado].

Melro, J. & César, M. (in press). Escola para todos: Que caminhos? Que trajectos? Actas do 5º Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Faro: SPCE.

Niza, S. (1996). Necessidades especiais de educação: da exclusão à inclusão na escola comum. Inovação, vol. 9 (9), 129-139.

O’Brien, J. & O’Brien, C. L (1999). A inclusão como uma força para a renovação da escola. In S. Sainback & W. Stainback (Eds.). Inclusão – um guia para educadores (pp. 48-66). Porto Alegre: Artes Médicas Editora.

Observatório dos Apoios Educativos (2000). Alunos surdos - relatório  relativo ao ano lectivo 1998/99. Lisboa: Ministério de Educação.

Porter, G. (1997). Organização das escolas: conseguir o acesso e a qualidade através da inclusão. In Caminhos para as escolas inclusivas (pp. 33-48). Lisboa. Instituto de Inovação Educacional.

Pinho e Melo, A. et al. (1986). Situação educativa da criança deficiente auditiva em Portugal. In A. Pinho e Melo et al. (Eds), A criança deficiente auditiva: situação educativa em Portugal (pp. 107-179). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Reis, M. J. (2000). A educação de alunos surdos: para onde vamos... Apoios Educativos,4, 2-3.

Rodrigues, D. (in press). A educação inclusiva e o desenvolvimento profissional dos professores. Actas do 5º Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Faro: SPCE.

Ruela, A. (2000). O aluno surdo na escola regular - a importância do contexto familiar e escolar. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Sanches, I. R. (1995). Professores de Educação Especial - da formação às práticas educativas. Porto: Porto Editora.

Sanches, I. R. (1996). Necessidades educativas especiais e apoios e complementos educativos no quotidiano do professor. Porto: Porto Editora.

Strecht, P. (1999). Preciso de Ti : Perturbações Psicossociais em Crianças e Adolescentes. Lisboa: Assírio & Alvim.

Strecht, P. (1998). Crescer vazio. Lisboa: Assírio & Alvim.

Vadenplas-Holfer, C. (1983). Educação construtiva para grupos especiais. Rio de Janeiro: Unesco. Centro do Livro.

Veiga, F. H. (2001). Indisciplina e violência na escola: Práticas comunicacionais para professores e pais. Coimbra: Almedina (2ª Ed.).

Wall, W. (1979). Educação construtiva para grupos especiais. Rio de Janeiro: Unesco. Centro do Livro.

5. AVALIAÇÃO

 Na disciplina de Psicologia da Educação a avaliação é contínua e inclui os seguintes elementos: trabalhos de sistematização realizados pelos alunos, testes e participação nas aulas.

1)    Trabalhos de sistematização/investigação que contribuirá com 30% para a avaliação final;

2)    Testes sobre a matéria dada no fim de cada um dos dois blocos. Cada teste contribuirá com 30% para a avaliação final;

3)    Participação nas aulas, nomeadamente através de trabalhos de grupo, discussão de textos e apresentações realizadas pelos alunos.

 

Nota: Os alunos que não participem na avaliação contínua, referida nos pontos anteriores realizarão um exame final.

 

Contacto  
 

Departamento de Educação - Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa
Campo Grande, C6, Piso 1, 1749-016 Lisboa
Telefone: 217 500 049/217 500 141 - Fax: 217 500 346. - e-mail: educacao@fc.ul.pt