Departamento de Educação

 

Departamento de Educação

Licenciaturas em Ensino

 

Licenciaturas em Ensino

Sociologia da Educação

 

 

1. OBJECTIVOS  DA DISCIPLINA:

 

 

Pretende-se com esta disciplina que os estudantes:

  • Compreendam e analisem as temáticas educacionais enunciadas no programa da disciplina;

  • Demonstrem capacidade crítica em relação às abordagens e perspectivas teóricas apresentadas na disciplina e identifiquem as suas implicações na investigação empírica;
  • Comparem e contrastem conceitos, princípios e estratégias fundamentais em Sociologia da Educação;
  • Problematizem o papel da escola e dos seus actores nas comunidades envolventes e na sociedade em geral;
  • Identifiquem interacções e implicações resultantes das características organizacionais da escola em relação a outras variáveis, nomeadamente, as demográficas, sociais e culturais no contexto nacional e internacional.

  

2. PROGRAMA - TEMAS A DESENVOLVER:

 

I - A emergência dos sistemas escolares e a construção do olhar sociológico sobre a escola

·         A sociologia. Objecto e método. A especificidade da produção de conhecimento científico sobre o social.

·         O surgimento da escola de massas e o desenvolvimento da sociologia da educação

·         A sociologia da educação na formação de professores

 

II - A construção da modernidade e o lugar da escola nas sociedades contemporâneas

·         Entender a modernidade

·         Sociedade portuguesa e dinâmicas sociais recentes – que modernidade?

·         O lugar da escola na sociedade portuguesa

 

III – A Escola: dinâmicas, actores, processos e contextos:

·         Famílias e escola

·         Os media e a escola

·         Massificação escolar, alunização da juventude e subculturas juvenis

·         Escola e diversidade

·         Políticas educativas e organização escolar

·         O professor: formação e desenvolvimento

·         Novos desafios no currículo escolar

 

3. BIBLIOGRAFIA

 I – A emergência dos sistemas escolares e a construção do olhar sociológico sobre a escola

Texto 1: COSTA, A F. (1992) – Sociologia: perguntas e respostas in Sociologia, Lisboa, Difusão Cultural, p.9-22.

Texto 2: ALMEIDA, J.F. (1995) – Metodologia da pesquisa empírica, in Introdução à Sociologia, Lisboa, Universidade Aberta, p. 193-197

Texto 3: RESENDE, J.M.; VIEIRA, M.M.(1993) – A desconstrução de uma prática: do saber ao fazer em Sociologia da Educação, in Fórum Sociológico, 2, p. 158-161

Texto 4: DELCOURT, J. (1984) – Vers une nouvelle sociologie de l’education (texto

traduzido), in Recherches Sociologiques, XV, 1, p.11-28

Texto 5: ESTEVES, António J., (1992) – A sociologia da educação na formação de professores, in António J. Esteves, S. Stoer (org.) A Sociologia na escola, Porto, Afrontamento, p.63-81

 

II – A construção da modernidade e o lugar da escola nas sociedades contemporâneas

Texto 6: GIDDENS, Anthony, (1994) – Modernidade e Identidade Pessoal, Oeiras, Celta Editora, p. 13 –30

Apoio 6:

BERTMAN, Stephen, (1998) - Hipercultura, O Preço da Pressa, Lisboa, Instituto Piaget, p. 13-20; 73-76; 76-84; 90-98.

Texto 7: VIEGAS, José Manuel Leite; COSTA, António Firmino da (org.), (1998) - Portugal, Que Modernidade?, Oeiras, Celta Editora, p. 17-33

Apoio 7:

BARRETO, António, (org.) (1996), A Situação Social em Portugal, 1960-1995, Lisboa, ICS, p.

Texto 8: SEBASTIÃO, João, (1998) – Os Dilemas da Escolaridade, in  J. M. L. Viegas e A F. da Costa (org.), Portugal, Que Modernidade?, Oeiras, Celta Editora, p. 314-318.

Apoio 8:

S.A, (2002) - Cartografia do Abandono e Insucesso Escolares, Ministério Educação,[internet]«http://www.min-edu.pt/Scripts/ASP/novidades_det.asp?NewsID

=181 (21 de Abril 2003)

III – A Escola: dinâmicas, actores, processos e contextos

Texto 9: MONTADON, Cléopâtre; PERRENOUD, Philippe (2001) – Entre Pais e Professores, Um Diálogo Impossível?, Oeiras, Celta Editora, p. 13-28

Apoios 9:

SINGLY, François (2000) - O Eu, O Casal e a Família, Lisboa, Publicações D. Quixote, p.168-195

VIEIRA, M. Manuel (2003) Famílias e escola: Processos de construção da democratização escolar in M. M. Vieira, J. Pintassilgo, B. Portugal e Melo (org.) Democratização escolar intenções e apropriações, Lisboa, CIE., p. 84-99

Texto 10: PINTO, Manuel (2000) – A televisão no quotidiano das crianças, Porto, Edições Afrontamento, p.143-162

Apoios 10:

METELLO de SEIXAS, M. José (1997) – «Mesmo nos concursos a gente aprende coisas» in Educação, Sociedade e Culturas, nº8

MELO, Benedita Portugal (2003) De que se fala quando se fala na ‘escola para todos’? Uma análise da programação da RTP – 1974 a 1999 in M. M. Vieira, J. Pintassilgo, B. Portugal e Melo (org.) Democratização escolar intenções e apropriações, Lisboa, CIE., p. 11-63

Texto 11: BARRÉRE, Anne, (s.d) O Trabalho dos Alunos, Porto, Rés Editora, p.44 -59

Apoios 11:

NIZET, J., HIERNAUX, P (s.d) – Aborrecimento dos jovens na escola, Porto, Rés Editora, p.63-89

PAIS, José Machado, (s.d.) – Culturas Juvenis, Lisboa, INCM.

Texto 12: VALENTIM, J.P., (1997) – Escola, Igualdade e Diferença, Porto, Campo das Letras, p. 67-84

Apoios 12:

VALENTIM, J.P., (1997) – Escola, Igualdade e Diferença, Porto, Campo das Letras, p. 84-99

MACHADO, Fernando Luís (1994) – Luso-africanos em Portugal: nas margens da etnicidade in Sociologia – Problemas e Práticas, nº 16, p. 111-134

Texto 13: PAYET, Jean-Paul (2000) – A Escola e a Construção da Cidadania in Manuel Jacinto Sarmento (org.) Autonomia da Escola – Políticas e Práticas, Porto, Edições ASA, p. 285-295.

Apoios 13:

DUTERCQ, Yves (2000) – Será a Escola o futuro do Sistema Educativo? Uma análise política do funcionamento dos estabelecimentos de ensino in Manuel Jacinto Sarmento (org.) Autonomia da Escola – Políticas e Práticas, Porto, Edições ASA, p. 191-208.

S.A, (2002) – Documento Orientador das Políticas para o Ensino Básico, Ministério Educação,[internet]«http://www.min-edu.pt/DEB/docorientbasico.asp (25 de Novembro de 2002); Decreto lei nº 115-A/98 de 4 de Maio (Regime de Autonomia das Escolas)

Texto 14: GOMES, Rui (1993) – A crise do professorado e a criação de novos pólos de identidade, in Culturas de escola e identidades dos professores, Lisboa, Educa, p. 43-51

Apoios 14:

RESENDE, José Manuel (2001), Individualidade, Denúncia e Modernidade: O sentido de justiça de um professor no Estado Novo in Forum Sociológico, nº 5/6, II série, p. 110-129

PERRENOUD, Philippe (2000) – Novas Competências para Ensinar, Porto Alegre, Artmed Editora, p. 95-109

Texto 15: BERNSTEIN, Basil (1986) – Estrutura do conhecimento educacional, in A M. Domingos, H. Barradas, H. Rainha, I.P. Neves (org.) A Teoria de Bernstein em Sociologia da Educação, Lisboa, F. Calouste Gulbenkian, p. 147-159.

Apoios 15:

COSME, Ariana, TRINDADE, Rui, (2001) – Área de Estudo Acompanhado, Porto, Edições ASA

NOGUEIRA, Conceição, SILVA, Isabel, (2001) – Cidadania, construção de novas práticas em contexto educativo, Porto, Edições ASA

 

4. RESULTADOS EXPECTÁVEIS DE APRENDIZAGEM/ COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER

  • Compreensão e apropriação autónoma do conjunto da informação transmitida e debatida nas aulas teórico-práticas da cadeira;
  • Utilização, com rigor e clareza de expressão, dos conceitos transmitidos e debatidos nas aulas teórico-práticas da cadeira;
  • Desenvolvimento de análises e relações entre os conceitos e as temáticas transmitidas e debatidas nas aulas teórico-práticas da cadeira;
  • Problematização e realização de uma crítica pessoal aos textos trabalhados nas aulas teórico-práticas da cadeira;
  • Realização de um trabalho de investigação ao nível da pesquisa bibliográfica e/ou de outros materiais de suporte informativo;
  • Exposição, com rigor e clareza de expressão, dos conceitos e as temáticas do programa de estudos da cadeira ao nível oral;
  • Utilização de estratégias diversificadas para a apresentação oral dos conceitos e das temáticas do programa de estudos da cadeira;
  • Promoção de debates e reflexões alargadas a diversos intervenientes;
  • Redacção, com rigor e clareza de expressão, dos conceitos transmitidos e debatidos nas aulas teórico-práticas da cadeira;
  • Desenvolvimento de análises reflexivas sobre o trabalho desenvolvido para a cadeira.

 

5. MODALIDADES DE AVALIAÇÃO

I – A avaliação do trabalho realizado em Sociologia da Educação é constituído por:

 

A)    Um momento de avaliação escrita sem consulta (teste individual), que será realizado no final do semestre na época de exames consagrada no regulamento de avaliação. O peso a atribuir a este momento é de 50%. Como condição para a aprovação na disciplina exige-se a obtenção do mínimo de 8,0 valores no teste.

 

B)    Um trabalho de grupo a apresentar, oralmente, sob a forma de uma aula. Com base numa temática do programa da disciplina, o grupo deverá promover a reflexão e o debate com os colegas de turma em torno daquela mesma temática. O peso a atribuir à apresentação da aula é de 40%.

Cada grupo de trabalho deverá ainda apresentar um relatório escrito – com o máximo de 5 páginas dactilografadas em computador - respeitante à aula apresentada. Nesse relatório deverão constar os objectivos que se pretendem atingir com a aula; as estratégias desenvolvidas; os principais tópicos do tema abordados com as respectivas referências bibliográficas e uma análise reflexiva. Esta análise reflexiva deverá incidir sobre o modo como a aula decorreu no que respeita ao cumprimento dos objectivos inicialmente propostos, à adequação das estratégias desenvolvidas, ao debate promovido com a turma e ao modo como esta terá compreendido e apropriado o tema desenvolvido. 

O peso a atribuir ao relatório escrito é de 10%. A ponderação destes dois momentos de avaliação na nota final perfaz  50%.

É obrigatório reunir uma vez com o docente da disciplina para orientação e acompanhamento prévio do trabalho de grupo.

Para aprovação na disciplina é necessário que a média mínima a atingir no final dos

dois momentos de avaliação seja de 10 valores.

 II - Como se torna evidente, a avaliação assim definida pressupõe uma presença e participação regulares nas aulas ao longo do semestre. Caso esta assiduidade - no mínimo 75% do total das aulas – não possa ser manifestamente assegurada, existe a alternativa, legalmente consagrada, de exame final, a combinar com a docente no início do semestre.

 

Contacto  
 

Departamento de Educação - Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa
Campo Grande, C6, Piso 1, 1749-016 Lisboa
Telefone: 217 500 049/217 500 141 - Fax: 217 500 346. - e-mail: educacao@fc.ul.pt