Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Mestrado em Educação

 

METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO II

2004/2005

 

 Docente: João Filipe Matos

jfmatos @ fc.ul.pt

 

Curso terminado em 31 Julho 2005

 

       

 

           

A disciplina desenvolve-se durante 15 semanas em aulas de 2,5 horas semanais (num total de 37,5 horas de contacto dos mestrandos com o docente). Presume-se um tempo semanal de 3 horas de leitura e trabalho independente por parte dos mestrandos.

A vocação desta disciplina é a de constituir um espaço de aprendizagem em que os mestrandos são imersos no campo da investigação em educação através fundamentalmente de (i) leitura, análise e discussão de investigação, (ii) exposição a princípios, estratégias e modalidades de realizar e organizar investigação em educação.

Finalidades

·        Proporcionar aos mestrandos oportunidades e condições para o desenvolvimento de uma reflexão informada acerca dos problemas da investigação em educação, nomeadamente nos aspectos éticos, nos contrangimentos, na articulação do campo teórico com o campo empírico e na representação da investigação

·        Desenvolver nos mestrandos capacidade para decidir acerca do planeamento, design e condução de investigação face a uma dada problemática

·        Proporcionar oportunidades aos mestrandos para desenvolver a capacidade de ler, compreender e avaliar investigação em educação

·        Desenvolver a capacidade de analisar criticamente a validade, fidedignidade e possibilidade de generalização de resultados de investigação

·        Contribuir para a compreensão de questões metodológicas de instrumentação, recolha de dados, análise de dados e interpretação em estudos de natureza qualitativa

·        Contribuir para a aquisição de sensibilidade e compreensão das questões de natureza ética envolvidas na investigação

·        Desenvolver a capacidade de elaboração de uma proposta de investigação metodologicamente adequada

Para atingir estas finalidades fixa-se como objectivo a apropriar pelos mestrandos o desenvolvimento de:

·        compreensão, avaliação e planeamento de designs de investigação

·        capacidade de operacionalização da investigação

·        capacidade de apreciação crítica de artigos de investigação

·        compreensão das questões éticas envolvidas na investigação

·        capacidade de planear a metodologia e instrumentação de uma investigação

·        compreensão de técnicas de amostragem e selecção de participantes na investigação, nomeadamente em estudos de natureza qualitativa

·        compreensão dos elementos implicados na análise, interpretação e relato de resultados a partir de dados qualitativos

·        operacionalização dos propósitos de uma investigação

·        análise das possibilidades de designs para questões específicas de investigação

·        capacidade de seleccionar e desenvolver ou adaptar instrumentos de investigação (observação participante, entrevista)

·        capacidade de analisar dados de natureza qualitativa.

 

Temas

·        Revisitando a investigação em educação. Princípios, paradigmas e bases.

·        Revisitando a formulação de problemas e questões de investigação. Papel da teoria na investigação. O campo teórico e o campo empírico. Elementos de uma investigação.

·        Análise das características dos estudos interpretativos, estudos etnográficos e estudos de caso. A investigação narrativa, as histórias de vida e a investigação-acção

·        A recolha de dados no campo empírico. Estratégias e problemas. A instrumentação e a sua adequação ao problema e às questões. Guiões de entrevista e de observação.

·        A Entrevista. Problemas e estratégias. Registo e condução.

·        A Observação. Problemas e estratégias. Registo e condução.

·        Análise de dados qualitativos. Estratégias e problemas. O QRS.NUDIST como recurso de trabalho.

·        Recolha de dados no campo teórico. Revisitando a noção de revisão da literatura.

·        Critérios de qualidade na investigação em educação. Validade interna e externa; fidedignidade. Avaliação e legitimação da investigação.

·        Representação e relato da investigação. A audiência e os estilos de relato da investigação. Problemas e estratégias de representação.

·        Ética da investigação em educação.

O desenvolvimento dos temas não será feito de modo necessariamente sequencial atendendo-se às múltiplas interrelações entre eles e às questões mais relevantes emergentes da experiência dos mestrandos.

 

 

Avaliação

 

A avaliação das actividades desenvolvidas pelos mestrandos nas disciplinas assume um carácter eminentemente formativo. Valoriza-se o trabalho presencial no âmbito das actividades realizadas em grupo e individualmente. Acrescenta-se a esta avaliação a elaboração de um plano/pré-projecto de trabalho preparatório de uma investigação (desejavelmente) conducente à elaboração da dissertação de Mestrado.

O pré-projecto deve ser entregue e avaliado até ao final do período de avaliação do 2º semestre.

 

Recursos

Elementos básicos para o desenvolvimento do trabalho por parte dos mestrandos:

·        livros (disponíveis da Biblioteca da FCUL e do CIE) e artigos (disponíveis em dossier específico)

·        site na internet descrevendo o desenvolvimento das aulas (contendo os elementos básicos de trabalho na disciplina, os materiais utilizados nas aulas) e um Blog das actividades desenvolvidas.

·        o recurso à internet para pesquisa de páginas web contendo documentos e relatos de investigação pode beneficiar do uso do motor de busca http://www.scholar.google.com

·        sugere-se o uso do estilo APA para elaboração de documentos.

 

Bibliografia base

Diversos textos e partes de capítulos de livros são colocados à disposição dos mestrandos para leitura organizando-se para tal o dossier correspondente.

Livros de referência:

André, M. (1995). Etnografia da Prática Escolar. São Paulo. Papirus.

Bodgan, R. & Biklen, S. (1994/1991). Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e métodos. Porto: Porto Editora.

Brown, A. & Dowling, P. (1998). Doing Research/Reading Research: a mode of interrogation for education. London: Falmer Press.

Cohen, L., Manion, L. & Morrison, K. (2000). Research Methods in Education. New York: Routledge.

Delamont, S. (1992). Fieldwork in Educational Settings. London: Falmer Press.

Denzin, N. & Lincoln, Y. (1994). Handbook of Qualitative Research. Newbury Park: Sage.

Glaser, B. & Strauss, A. (1967). The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. Nova Iorque: Gruyter.

Goetz, J. & LeCompte, M. (1984/1988). Etnografia e diseño qualitativo en investigación educativa. Madrid: Morata.

Lessard-Hebert, M., Goyette, G. & Boutin, G. (1990). Investigação Qualitativa - Fundamentos e Práticas. Lisboa: Instituto Piaget.

Miles, M. & Huberman, A. (1994). Qualitative Data Analysis. Thousand Oaks: Sage.

Popkewitz, T. (1984). Paradigm and ideology in educational research. Basingstoke, UK: Falmer.

Reason, P. & Bradbury, H. (2001). Handbook of Action Research. Londres: Sage.

Silva, A. & Pinto, J. (1986). Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Afrontamento.

Silva, M.I. (1996). Práticas Educativas e Construção de Saberes. Lisboa: IIE.

Spradley, J. (1979). The Ethnographic Interview. New York: Holt, Rinehart & Winston.

Tuckman, B. (1994/2000). Manual de Investigação em Educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

 

Artigos:

Anderson, G. (1990). The Nature of Educational Research. In Fundamentals of Educational Research, cap. 1. London: Falmer Press.

Anderson, G. (1990). Research Ethics. In Fundamentals of Educational Research, cap. 2. London: Falmer Press.

Almeida, J. & Pinto, J. (1996). Da Teoria à Investigação Empírica. Problemas Metodológicos Gerais. In A. Silva & J. Pinto (eds), Metodologia das Ciências Socias, cap.2. Porto: Edições Afrontamento.

Adler, J. & Lerman, S. (2003). Ethical pratice in mathematics educationresearch: Getting the description right and making it count. In Bishop, A. & Kilpatrick, J. (Eds.) Second International Handbook of Mathematics Education. Kluwer Educational Publishers.

Behar, R. (1996). The Vulnerable Observer. Anthropology that Breaks Your Heart. Boston: Beacon Press.

Galvão, C. (1993). Profissão: Professor. Concepção e expectativas de futuros professores. In Revista de Educação, vol.III, nº2, pp.47-57.Lisboa.

Glaser, B. & Strauss, A. (1967). The Discovery of Grounded Theory: strategies for qualitative research.. New York: Aldine de Gruyter.

Iturra, R. (1986). Trabalho de Campo e Observação Participante em Antropologia. In Augusto Santos Silva e José Madureira Pinto (orgs.) Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento Biblioteca das Ciências do Homem.

Lave, J. (1997). The Culture of Acquisition and Practice of Understanding. In Kirshner, D. & Whitson, J., Situated Cognition Social, Semiotic and Psychological Perspectives. Mahwah, NJ: Erlbaum.

Merriam, S. (1991). Case Study Research in Education. A Qualitative Approach. S. Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Reason, P. & Bradbury, H. (2001). Handbook of Action Research. Participative Inquiry & Practice. London: Sage Publications.

Resnick, L. (1997). Discourse, Tools and Reasoning. Essays on Situation Cognition. NATO ASI Séries

Seiça, Aline (1998). Ética e Deontologia dos Professores: pensamento e práticas. In Revista de Educação, vol.VII, nº2, pp.63-79. Lisboa.

Strauss, A. & Corbin, J. (1990). Basics of Qualitative Research. London: Sage Publications.

Vasconcelos, T. (1996). Onde pensas tu que vais? Senta-te! - Etnografia como Experiência Transformadora. Revista Educação, Sociedade & Culturas nº 5, pp.23-72. Porto: Edições Afrontamento.

Hit Counter