Tema 6 - Formação a distância

 Questões

Estas questões são apresentadas como possível ponto de partida para a reflexão por parte do grupo:

  1. Quais as potencialdiades da formação a distância?

  2. Em tipo de condições são necessárias para pôr em prática este tipo de formação?

  3. Em que casos é esta formação particularmente apropriada?

  4. Existem variedades importantes de formação a distância? Quais são as principais?

  5. O que dizem os estudos de avaliação sobre o valor da formação a distância?

  6. Há experiências interessantes formação a distância relativas à disciplina de Matemática?

Outras sugestões

Actividades relevantes nesta área que podem ser igualmente alimentadoras da reflexão

  1. Experiência da Universidade Aberta, em Portugal

  2. Prof 2000

Bibliografia sugerida

  1. Bliss et al. (1999). Learning sites: Social ans technological resources for learning. Amsterdam: Pergamon (CIE-1624)
  2. Rosenberg, M. J. (2001). E-learning: Stategies for delivering in the digital age. New York: McGraw-Hill (CIE-1535)  
  3. Ryan, S. et al. (2000). The virtual university: The inetrnet and resource-based learning. London: Kogan Page. (CIE-1181)
  4. Simons et al. (2000). New learning. Dordrecht: Kluwer. (CIE-1518)
  5. Teare et al. (1998). The virtual university: An actionparadigm and process for workplace learning. London: Cassell. (CIE-1105)  
  6. Warschauer, M. (1999). Electronic literacies: Language, culture and power in online education. Mahwah: Lawrence Erlbaum. (CIE-1246)

Bibliografia complementar

  1. Carmo, H. D. A. (1997). Ensino superior a distância: Conetexto mundial. Lisboa: Universidade Aberta
  2. Christensen, E. W. (2001). Receptivity to distance learning: The effect of technology, reputation, constraints, and learning preferences. Journal of Research on Computing in Education, 33(3), 263-279.  
  3. Dias, P. e Freitas, C. (1999). Desafios 99. Braga: Universidade do Minho (CIE-1096)   
  4. Ellerton, N. (1999). Changing delivery modes for mathematics teacher development. In N. Ellerton (Ed.), Mathematics teacher development: International perspectives (pp. 56-69). West Perth, AUS: Meridian Press.
  5. Hazari, S., & Schnorr, D. (1999). Implementation of interactive Web module in a teacher education course. Journal of Computing in Teacher Education, 15(3), 8-16.
  6. McWilliam, E., & Taylor, P. G. (1998). Teacher im/material: Challenging the new pedagogies of instructional design. Educational Researcher, 27(8), 29-35.
  7. Pérez-Cereijo, M. V., Young, I., & Wilhelm, R. W. (2001). Profesional development partnerships integrating educational technology. Journal of Computing in Teacher Education, 18(1), 32-39.
  8. Petre, M., Carswell, L., Price, B., & Thomas, P. (1998). Innovations in large-scale supported distance teaching: Transformation for the Internet, not just translation. In M. Eisenstadt & T. Vicent (Eds.), The knowledge web (pp. 97-116). London: Kogan Page.
  9. Stratford, M. (1998). Promoting learner dialogues on the Web. In M. Eisenstadt & T. Vicent (Eds.), The knowledge web (pp. 119-134). London: Kogan Page.
  10. Tipton, M., & Kovalik, C. (2000). Restructuring course delivery for interactive Web instruction. Journal of Computing in Teacher Education, 17(1), 20-25.
  11. Whipp, J. L., & Scheizer, H. (2000). Meeting psychological needs in Web-based courses for teachers. Journal of Computing in Teacher Education, 17(1), 26-31.
  12. Yildirim, S., & Kiraz, E. (1999). Obstacles in integrating online communications tools into preservice teacher education. Journal of Computing in Teacher Education, 15(3), 23-28.
  13. Burge, E. J. (2001). Distance and on-line education. In T. Barer-Stein & M. Kompf (Eds.), The craft of teaching adults (3rd ed.). Toronto: Irwin Publishing.
  14. Carioca, V., Matos, J., & Gaibino, R. (2001). Cenários de formação em ensino a distância: O projecto HIFLEX, processo e produtos. In A. Estrela & J. Ferreira (Eds.), Tecnologias em educação: Estudos e investigações (pp. 474-487). Lisboa: AFIRSE, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa.
  15. Costa, F. A., & Peralta, M. H. (2001). e-Learning: Formação de formadores para a construção de contextos de aprendizagem significativa. In A. Estrela & J. Ferreira (Eds.), Tecnologias em educação: Estudos e investigações (pp. 488-497). Lisboa: AFIRSE, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa.
  16. Echeverría, J. (2000). Educación y tecnologias telemáticas. Revista Ibero-Americana de Educación, 24, 17-36.
  17. Fonseca, J. J. S. (2001). Educação a distância em Portugal: Potencialidades e vulnerabilidades. In A. Estrela & J. Ferreira (Eds.), Tecnologias em educação: Estudos e investigações (pp. 498-503). Lisboa: AFIRSE, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa.
  18. Néstor-Santángelo, H. (2000). Modelos pedagógicos en los sistemas de enseñanza no presencial basados en nuevas tecnologías y redes de comunicación. Revista Ibero-Americana de Educación, 24, 135-169.
  19. Ponte, J. P. (2000). Tecnologias de informação e comunicação na formação de professores: Que desafios? Revista Ibero-Americana de Educación, 24, 63-90. (Ficheiro Word)
  20. Romão, E. S. (2001). Educação a distância, cada vez mais perto. In A. Estrela & J. Ferreira (Eds.), Tecnologias em educação: Estudos e investigações (pp. 504-514). Lisboa: AFIRSE, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa.
  21. Santos, A. P. (2001). Formação on-line de professores. In A. Estrela & J. Ferreira (Eds.), Tecnologias em educação: Estudos e investigações (pp. 515-526). Lisboa: AFIRSE, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa.
  22. Williams, M. L., Paprock, K., & Covington, B. (1999). Distance learning: An essential guide. Thousand Oaks, CA: Sage.