Pedro-Sandra – 18

A primeira versão do vosso trabalho estava bastante bem. Mesmo assim a nova versão melhorou um ou outro aspecto. A discussão sobre pós-modernidade/modernidade tardia, parece-me muito equilibrada. O ponto referente às pressões que se têm evidenciado sobre a escola enfatiza os aspectos ligados ao desenvolvimento económico e às novas tecnologias, explicitando as suas implicações no trabalho dos professores e salientando as implicações curriculares. No ponto seguinte, retoma-se a mesma problemática, numa lógica mais ampla e mais virada para o futuro. Na conclusão, salientam, a meu ver muito bem, a importância do papel dos professores nas transformação da escola.

Mesmo assim, penso que se poderiam equacionar diversas questões:

1-     Será que a mudança curricular é o elemento mais saliente nas mudanças em curso na escola? E o que dizer de questões como (i) a tensão entre o ensino público e o ensino privado, bem como (ii) os problemas não resolvidos do insucesso e do abandono?

2-     Para além da tensão entre individualismo e colaboração, quais são outras questões-chave que se colocam presentemente aos professores? Há uma crise na sua identidade profissional? Quais os contornos dessa crise?

 

Parabéns pelo vosso trabalho, que espero que tenham considerado útil e formativo.